Translate

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Julgamento e Amor


Julgamento e Amor

Meu amigo, o julgamento
É assunto delicado,
Por isto Jesus nos pede
Tenhamos nele cuidado!

Julgar desta ou doutra forma
Vizinho, amigo ou parente,
Pode, em verdade, mostrar
O nosso lado doente.

Todos, pois, necessitamos
De indulgência no caminho,
A fim de que venham, sim,
Aqueles que dêem carinho.

No caso da pecadora
Apedrejada na praça,
Jesus Cristo evidenciava
Toda impiedade que grassa.

Na fieira do passado
Deixamos faltas demais,
Que agora surgem a tona
Provocando muitos ais!..

Como julgar a quem cai
Sem nenhuma compaixão,
Se nossa caridade é coberta
De fel, de lodo e ilusão?

Tendo o amor por sal da vida,
Muito iremos nós lucrar.
Nossa voz, nossos conceitos
Serão estrela a brilhar.

O vão orgulho e a soberba
Como a ignorância e a vaidade
São nódoas tristes mostrando
As nódoas da leviandade.

Tenhamos condescendência,
Entendendo o companheiro.
E Jesus fará do nosso
Coração, grande celeiro.

Condenar pessoas, coisas,
Aqui, alhures e além,
Cometendo as mesmas faltas
É falsidade também.

 Usemos  contra o juízo
 Precipitado, o amor,
A fim de que prossigamos
Transformando espinho em flor.

Agradecendo o momento
Que surge na reunião
Quero também lhes trazer
Minha colaboração.

Adeus! Estou indo agora
O falso juízo é praga,
Não se esqueçam de vibrar
Pelo irmão Belmiro Braga.

Boa noite! Realizações
Na estrada cheia de luz;
E que marchem confiantes,
Nos ensinos de Jesus!

Belmiro Braga por Newton Boechat
Do livro 
“Como no Caminho de Emmaús - a mediunidade inspirada de Newton Boecht”    
(Ed. Lachatre 1ª Ed 2014)


Doutrina Espírita

Princípios Básicos 
da Doutrina Espírita



O conteúdo da Doutrina Espírita pode, sem se limitar, ser resumido nos seguintes princípios:

1          Crença em Deus

Existe um Deus único, eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente bom e justo, criador do universo
e de todos os seres e matérias existentes.

2          Existência de um mundo espiritual

Existe um mundo espiritual que é o mundo normal,
coexistindo com o mundo corpóreo ou físico em que vivemos.

3          Imortalidade da alma

 A alma do homem é um espírito encarnado que sobrevive
após a morte do corpo físico, é eterna e indestrutível.

4          Pluralidade das existências

 Ao longo de vidas sucessivas o espírito faz “uso” de diferentes “corpos” através das várias reencarnações necessárias
ao seu progresso moral e intelectual.

5          Existência de espírito, perispírito e corpo físico

 O homem é constituído por 3 elementos fundamentais:
a                                            o corpo físico ou material, do qual se utiliza
para movimentar-se no mundo corpóreo;
b                                                  o espírito eterno, imortal e indestrutível,
que sobrevive após a morte;
 c       o perispírito, liame intermediário de natureza semi material, elemento de transição entre o espírito e o corpo físico.

6          Os espíritos foram criados iguais

Os espíritos foram criados por Deus iguais e para progredirem individualmente através das vidas sucessivas. As diferentes classes de espíritos ou seja, puros, superiores ou inferiores, são conseqüência do progresso individual em decorrência do
uso do livre arbítrio permitido por Deus.

7          Pluralidade de mundos habitáveis

 Existem no universo infinitos mundos habitáveis, que servem de morada ao homem, conforme seu estágio evolutivo. Dentro dessa escala de mundos, a terra constitui em um planeta de expiação e provas, havendo mundos ainda inferiores e mundos superiores, ditos felizes e celestiais.

8          A finalidade do homem é o progresso

As diferentes existências corpóreas do espírito são para sua evolução; são sempre progressivas e nunca regressivas; porém, o progresso individual depende do esforço de cada um,
conforme o uso particular do livre arbítrio.

9          Livre-Arbítrio

Apesar de criado por Deus, o homem foi por Este dotado
do livre arbítrio, isto é, de consciência individual
e liberdade de escolha dos procedimentos de vida.

10        Coexistência dos mundos material e espiritual

Os espíritos quando encarnados habitam as crostas dos diferentes globos do universo. Quando desencarnados, habitam regiões do espaço extrafísico, segundo leis de afinidade ou merecimento,
coexistindo continuamente com o mundo físico.

  
11        Os espíritos são uma das forças da natureza

 Os espíritos desencarnados constituem uma das forças da natureza e como tal, exercem influência sobre o mundo corpóreo em que vivemos.

12        Intercâmbio entre os mundos físico e espiritual

 As comunicações mediúnicas são o meio de intercâmbio e inter-relação entre o mundo físico e o espiritual
e se constituem em um fenômeno natural.

13        A hierarquia espiritual é exercida pela superioridade moral

 A superioridade entre os espíritos é exercida pela ascendência moral, assim os espíritos superiores exercem superioridade moral sobre os inferiores, sendo esta a única forma de hierarquia existente.

14        Os médiuns são instrumentos de intercâmbio

Os médiuns são instrumentos de comunicação dos espíritos, e através deles é que se torna possível a comunicação entre os dois planos.

15        As manifestações dos espíritos podem ser espontâneas ou provocadas

Os espíritos se manifestam espontaneamente ou mediante evocação,
e são atraídos segundo leis de afinidade
ou necessidades de esclarecimento de um ou outro plano.

16        Os espíritos se identificam pela linguagem

Nas comunicações mediúnicas a linguagem empregada pelos espíritos comunicantes, digna e nobre, ou grosseira e inferior, benévola ou malévola, erudita ou ignorante, é um meio seguro de se distinguir a natureza destes e até mesmo identificá-los.

17        Cristo é o exemplo máximo

A moral dos espíritos superiores se resume na moral do Cristo, 
contida no seu evangelho.

LE pergunta 625
"Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, 

para servir de guia e modelo?", Resposta: - "Jesus" 

18        Não existe céu e inferno

Não existem faltas irremissíveis, nem o céu ou o inferno preconizado nas religiões; cada espírito resgata suas faltas, cumpre suas penas 
ou aufere recompensas através de suas vidas sucessivas.

19        A morte é a passagem para uma outra vida

A morte ou a desencarnação transfere o homem para outro plano. porém não lhe confere prosperidade espiritual. Apenas o livra dos entraves do corpo físico, aviva-lhe os sentimentos e o torna mais consciente de sua verdadeira personalidade e dos atos praticados. Envolve-o,
na erraticidade, em estados de sofrimento ou harmonia,
segundo a a própria consciência.

20        O Destino Supremo é a perfeição

O destino final do homem é a perfeição, e seu tempo de vida
é a eternidade.



Compilação do Livro dos Espíritos de Allan Kardec por Flávio Dezorzi

para o CRE – Centro de Renovação Espiritual SP SP