Translate

sábado, 17 de novembro de 2012

36. "O Protestantismo e o Espiritismo" por Benedito A. da Fonseca



36
“O Protestantismo
e o Espiritismo”
                                                                                                                                         
por  Benedito A. da Fonseca
 Livraria Editora da Federação Espírita Brasileira
1941


CAPITULO IX


            Os protestantes têm um prazer imenso em acusar de ignorantes os espiritas que se entregam às práticas de religião demoníaca. Abrem a Bíblia e andam â cata de versículos que possam servir para lhes justificar a acusação.

            Esses versículos são citados sem a menor análise, sem o menor estudo, sem a menor verificação. Se fazem isso por engano, por ignorância ou por má fé, não o sei; não posso ser juiz da consciência de outrem: Não os acusarei. Os que tiverem bom senso, julguem conforme a inspiração que lhes faz vibrar os sentimentos de justiça.

            Por exemplo; eis o que diz o folheto :

            "Em I a Timóteo, IV: 1,' o apóstolo escreve que o Espírito manifestamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a Espíritos enganadores e a doutrina de demônios"; não nos deve surpreender nada do que se passa em redor de nós; os espiritistas dão ouvidos a Espíritos enganadores e a doutrina de demônios" . Com prevenção, o autor copiou somente o versículo 1 e não prosseguiu copiando os versículos seguintes ao primeiro, que anunciam os característicos da doutrina de demônios! Os versículos que se seguem, dizem que os Espíritos enganadores prescreviam doutrinas proibindo o casamento e o uso da carne. Ora, os protestantes sabem muito bem que não são os espiritistas que decretaram leis proibindo o casamento e o uso da carne às sextas-feiras. Os espiritistas não são ignorantes que não saibam distinguir a verdade da impostura. Seguem o que diz São João na sua primeira epístola, (IV: 1), não creem em todos os Espíritos mas discernem, analisam as comunicações: eles têm o dom de discernir os Espírítos (I Coríntíos, XII:10;. XIV: 29). Não aceitam doutrinas que não estejam de acordo com o conjunto da doutrina verdadeira (Isaias, VIII: 20). Os Espíritos que ensinarem doutrinas discordantes da verdadeira, dão mostras de estarem ainda nas trevas da ignorância, são enganadores. Nas sessões se apresentam muitos destes que, caem em contradição e se deixam conhecer pela incoerência das próprias ideias.

            São Paulo escreveu a Timóteo, IV: 1: "O Espírito manifestamente diz". Logo, São Paulo era espírita: conversava com os Espíritos. Ele repelia os Espíritos levianos, Ignorantes e maus, (combatia contra as bestas), (1) e só aceitava conselhos dos Espíritos sábios, somente fazia o que estes lhe ordenavam. (Atos, XXI: 4; XVI: 7; XVII: 23; XVIII: 5). São Pedro também era espírita, porque também recebia ordens dos Espíritos; (Atos, X: 19 e versículos 31-32; XI: 12). Filipe também era espírita, porque ouvia e executava as ordens dos Espíritos. (Atos, VIII: 26-29); O centurião Cornélio era espírita, porque atendeu às ordens de um espírito que lhe dirigiu palavras de paz e de esperança, enchendo de alegria o seu coração de crente sincero. (Atos, X: 4-7-8).

            (1) Combatia contra as bestas em Éfeso (I Coríntios, XV: 32), - discutia e doutrinava os Espíritos turbulentos.

            Pedro, Paulo, Filipe, apóstolos de Jesus eram espíritas, assim como também o eram os demais apóstolos e discípulos, como provado ficou acima. Jesus Cristo era e é o chefe do Espirítismo . Ele efetuou uma sessão espirita num lugar particular, num alto monte, com três médiuns e recebeu comunicação de dois espíritos Santos. (São Mateus, XVII: 1-8).
           

.........................

            Os espíritas, pois, não se deixam enganar pelos Espíritos mentirosos que se lhes apresentam; sabem discerni-lo. Não são idiotas, como supõem os protestantes. 

            Aos Espíritos ignorantes e maus,: que não conheceram o Evangelho, o presidente diretor da sessão ensina-lhes e faz pacientemente uma pregação anunciando-lhes o Evangelho; explicando-lhes o que não tiveram oportunidade de aprender quando encarnados. Os espíritas não andam perdendo tempo com futilidades. Um trabalho bem dirigido, com médiuns bem comportados, é trabalho muito proveitoso para os Espíritos dos que faleceram sem conhecer a verdade. A sessão espirita é um meio utilizado por Jesus, a fim de pregarmos o Evangelho também aos mortos, isto é, anunciar a verdade à imensa maioria que desencarna diariamente sem conhecimento das verdades divinas, e ao mesmo tempo, útil e proveitosa para o estudo do Evangelho explicado pelos Espíritos dos justos aperfeiçoados, (Hebreus, XII: 23), que esclarecem tudo, à medida do adiantamento e grau de compreensão intelectual dos assistentes.

            Os versículos bíblicos citados em desabono do Espiritismo, em vez de o destruírem servem para confirmá-lo, e os protestantes veem derrubados todos os seus argumentos pelos próprios efeitos das suas referências às Escrituras. É o mesmo que esforçar-se alguém por apagar um incêndio esguichando lhe querosene...

.......................

            Se bem haja ainda muita coisa a dizer, para demonstrar aos protestantes os erros de suas afirmações, todavia, não prosseguimos, porque alguma coisa já se tem escrito e isso basta para esclarecer quem não procede de má fé.

            O capítulo seguinte é a conclusão deste apêndice, ou segunda parte da "Carta aberta" em resposta aos falhos argumentos dos nossos irmãos adversos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário