Translate

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

28. "O Protestantismo e o Espiritismo" por Benedito A. Fonseca


28
“O Protestantismo
e o Espiritismo”
                                                                                                                                         
por  Benedito A. da Fonseca
 Livraria Editora da Federação Espírita Brasileira
1941

CAPITULO III


Foi Samuel mesmo, por ordem de Deus,
o Espírito que se comunicou com Saul;
 não foi nenhum enviado de Satanás.
(Página 10 do folheto da Califórnia).



VOLTEMOS AO CASO DA MÉDIUM DE ENDOR

            Segundo as palavras acima, do folheto protestante, houve a comunicação de um Santo por intermédio da pitonisa.

            No capitulo XXVIII de I Samuel ou Reis, que descreve este fato, não se vê nem sortilégio nem adivinhação, nem magia, nem feitiçaria. Aquele foi um fato comum, tanto pode comunicar-se um Espírito bom, como pode igualmente se comunicar Espírito mau. A identidade poder-se-á verificar pelos seus discursos, pelas maneiras com que se apresentam, do mesmo modo que se pode avaliar o adiantamento moral e intelectual de um indivíduo desconhecido, que pela primeira vez fala conosco: seus sentimentos interiores se revelam por sua compostura, gestos e palavras.

            Saul estava familiarizado com Samuel, que, antes de morrer era um médium; ele sempre consultava aos enviados do Senhor por intermédio de SamueI (I Samuel, IX: 9 e versículos 18 e 19). Os profetas não querendo atende-lo, e devido à sua perturbação, não podendo receber comunicações por sonhos, desejando falar com Samuel, procurou a mulher de Endor, na certeza de obter uma revelação como todas as que haviam sido trazidas anteriormente, da parte de Deus, pelo seu médium de confiança, isto é, por Samuel.

            A sentença que Samuel pronunciou contra Saul não foi causada pela evocação de Espírito, pela pitonisa, nem por adivinhação, nem por encantamento, nem por ter feito passar a seu filho pelo fogo, porque, nada disso houve. A causa da sentença foi a sua desobediência aos conselhos dados por boca do próprio Samuel antes da sua morte.
(Cap, XXVIII 17). Os exércitos dos seus inimigos guerreiros, (filisteus) nada poderiam fazer contra ele, se ele tivesse preenchido todos os requisitos do verdadeiro crente, servo do Altíssimo, e se tivesse posto em prática as determinações do Senhor, nada lhe aconteceria; os exércitos dos filisteus seriam derrotados, segundo estas palavras:

            "Mil cairão ao teu lado e dez mil à tua direita - mas não chegarão a ti". (Salmos, XCI: 7). A causa da derrota de Saul foi, pois, a sua desobediência: ele mesmo conquistou a sua situação penosa diante dos filisteus, que fatalmente iam sair triunfantes.

            O fato de lhe haver dito o Espírito de Samuel "Porque me desinquietaste fazendo-me subir, isto é - chamando-me pelo pensamento e pela vontade - por que a mim me perguntas, visto que o Senhor te tem desamparado e se tem feito teu inimigo? Tu não deste ouvidos à voz do Senhor, não executaste conforme foi ordenado; desobedeceste a Deus, atraíste o mal para ti, por isso o teu reino passará às mãos de outro". Com estas palavras quis Samuel dizer que Saul tendo desobedecido ao Senhor e chamado a si um grande mal, perdeu o auxílio dos exércitos invisíveis e fatalmente teria de ser derrotado e morto às mãos dos guerreiros. Samuel queria poupar-lhe o desgosto e não desejava anunciar-lhe previamente o que lhe ia suceder. Outros médiuns não recebiam nenhum Espírito do Senhor para responder aos desígnios de Deus, não queriam causar um tremendo choque a Saul, que já se achava em grande angústia e estavam deixando que se realizassem os sucessos provocados ou causados pelo seu abuso ou incúria; porém,
como SauI insistisse, deixando de consultar os profetas, (médiuns oficiais) porque tinha já perdido a confiança e também a esperança, foi procurar a pitonisa, (médium perseguido pela lei), porque bem sabia que Samuel podia lhe falar por profetas, homens, como por profetisas mulheres. Samuel lhe censurou o procedimento: "Por que insistes, teimando em querer saber antecipadamente o que tem de acontecer? Por que, pois, a mim me perguntas se o Senhor te há desamparado e feito teu inimigo? Pois bem, visto que insistes e queres forçosamente saber, vou dizer-te.

            Eu bem queria poupar-te este desgosto, este choque violento, esta sentença causada pela tua própria culpa:

            Como tu não deste ouvidos à voz do Senhor, por isso Ele fez isto: Entregará também Israel contigo nas mãos do filisteus e amanhã tu e teus filhos estareis comigo e o arraial de Israel o Senhor entregará nas mãos dos filisteus". (XXVIII: 19). I Livro de Samuel ou Reis - vulgata. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário